Óleos Essenciais e a Maternidade – o que falta saber?

Dando continuidade ao meu interesse crescente sobre o tema, fiz um Workshop de Óleos Essenciais e a Maternidade.

Não só por curiosidade ou uso próprio, mas porque acho que divulgando poderei chegar a mais pessoas e assim ajudar.

A oradora, uma Americana com 3 filhos pequenos, que usa os óleos essenciais há 8 anos e trabalha com plantas há 13, partilhou um pouco (muito) da sua sabedoria.

Ela própria usou em si os Óleos, assim como em diversas situações com os filhos e a determinada altura ela sentiu que realmente os eles mudaram a sua vida.

– Um aparte, e por questões éticas, não há testes efectuados em grávidas, nem em bebés recém-nascidos.

Algumas mulheres dispuseram-se a partilhar as suas experiências e deram o seu testemunho.

Acho que o mais importante a reter e que convém saber, é que com cuidado, informação correcta e bom senso, os óleos essenciais também podem ser usados nos seguintes casos:

  • na Gravidez;
  • no Parto e no pós-Parto;
  • em Bebés.

Mesmo em alturas tão sensíveis e delicadas como estas que envolvem a Maternidade, é possível ter uma qualidade de vida e bem estar com a ajuda dos Óleos Essenciais.

Para se ficar com ideia, de seguida algumas situações que os óleos ajudaram a eliminar, ou a amenizar as sensações:

Na gravidez – dores, inchaço, insónias, enjoos, cansaço, digestões difíceis, obstipação, ansiedade.

No Parto– situações como falta de foco ou confusão mental, contrações dolorosas.

No pós-Parto – sono, cansaço, cicatrização mais rápida, depressão pós-parto.

Em Bebés – cólicas, regulação do sono, assaduras, febre, fungos.

(idealmente só a partir de 1 ano de idade – Ver sempre diluições recomendadas para as diferentes idades.)

São situações já de si tão complicadas, que às vezes, com uma simples gota, se resolve um determinado problema sem necessidade de recorrer à medicina tradicional e sim de uma forma natural.

Mais uma vez reforço, porque assim também foi me transmitido, estes óleos devem ser usados com consciência, deve haver informação precisa da origem dos mesmos (certificar que são 100% puros) e das diferentes aplicações conforme os casos.

Para mais detalhes e informações concretas enviar mensagem.

Convido a deixarem um testemunho, se com a ajuda do óleo conseguiram ultrapassar alguma situação das acima mencionadas ou outra, relacionada com Maternidade.

Ler também:

A preferência pelo mais natural. Óleos essenciais.

Aromaterapia – as primeiras 4 dúvidas.

Aromaterapia, as nossas primeiras experiências.

Iniciação à Aromaterapia

Como passar uma óptima manhã de domingo com os pequenos.

Lemos e ouvimos constantemente notícias e artigos sobre como melhorar a nossa vida e a dos nossos filhos e vamos logo espreitar a ver se nos serve e se é desta que as coisas ficam realmente magníficas!

Algumas tentamos aplicar, outras são impossíveis de fazer acontecer e outras nem por isso.

Uma das ultimas mais recentes foi a de que o Mar tem super poderes. Que deveríamos sempre que possível estar junto dele.

Ora, não é nada que não saibamos e que não tenhamos experimentado já os seus super poderes e efeitos fantásticos, mas muitas vezes esquecemos-nos das coisas que já consideramos normais e adquiridas. E no caso do Mar e da Praia pensamos neles lá mais para o Verão, quando está calor ou aparecem os primeiros raios de sol na Primavera.

Eu tenho pena que muitas das vezes que vou à praia não consiga concretizar pelo menos o simples ato de mergulhar, da sensação óptima que é estar na água salgada, das ondas que nos suportam, tudo isto é fantástico e tem realmente efeitos curativos. Ou então de estar só na areia a sentir o vento na cara, o calor ou frio e a absorver em silêncio tudo aquilo que o Mar nos dá. Sem duvida é tudo bom!

Por aqui temos sorte de estar tão perto do mar. Geograficamente a nossa casa está a 4 km em linha reta até ao mar. Não devia haver desculpas para não irmos lá mais vezes.

Da nossa casa também se vê o mar. Estou sempre a dizer isto, mas isso porque valorizo mesmo muito este aspecto e não há um dia, e faço-o muitas vezes ao dia que, não olhe lá para o fundo e pense – Lá está o Mar, que sorte tenho de o ver!

Nem imagino quem vive só com montanhas ao redor. Não ter no horizonte aquela linha que separa o mar, já por si imenso, do céu e que nos dá uma sensação de infinito, que há mais para além dali, sabem?

Bom, posto isto tudo, porque este fim-de-semana ficou prometido uma visita à praia e porque eu sei que lhes faz bem, lá fomos.

Passeamos junto ao mar, comemos bolachinhas feitas por nós, brincamos na areia, atiramos umas pedras à água e outras trouxemos para casa para pintar mais tarde. Almoçamos com uma boa e querida companhia e viemos dormir uma bela sesta.

Não foi preciso muito. Só um dia de sol fantástico, mesmo em pleno inverno e meter pés a caminho.

Tenho a certeza que trouxemos de lá mais do que pedrinhas nos bolsos e areia nos sapatos.

Recuperar das noites não dormidas.

caffeine-coffee-cup-6347
Photo by Kaboompics .com from Pexels

 

Ainda bem que os meus filhos já dormem melhor de noite. Por coincidência eu também!!! (Fora as vezes que ainda se lembram de chamar Mamãaaa!!!! Para adormecerem logo a seguir e eu ficar ali acordada, a contar os carneirinhos, todos e mais alguns.)

De facto, o aumento da qualidade do sono já se reflete na minha qualidade de vida e de humor.

Dizem que ainda leva 1 ano a recuperar das noites de sono intermitente, depois de se voltar a dormir noites inteiras (as supostas 8 horas).
Preciso tanto…
Andava cansada, até de não ter memória. De querer dizer uma frase e não me lembrar de algumas palavras…

É horrível quando se quer parecer sério e tentar convencer alguém e metade do vocabulário desapareceu. Fica-se ali a tentar que venha qualquer coisa à cabeça, mas parece só haver um enorme vazio. Até porque um pequeno pânico se instalou o que não ajuda nada.

Para não falar das coisas normais que temos por adquiridas quando está tudo bem:

  • Paciência
  • Clareza nos pensamentos
  • Criatividade
  • Humor
  • Disponibilidade

Quantas de nós nos arrastamos de manhã da cama porque tem de ser, mas, no entanto, nos sentimos tão mal, tão diminuídas, que parece que andamos toda a noite aos tombos. E às vezes andámos. Os olhos doem, custam a abrir. Queremo-nos equilibrar, mas as pernas não respondem. A cabeça explode, mas lá vamos nós, buscando forças nem sabemos aonde nem como. A vida tem de andar e não adianta fazer de conta nem imaginar que hoje podemos ficar a descansar.

 

Mas agora, sim. Acredito que só possa melhorar e que eles vão dormir melhor e mais descansados todas as noites daqui para a frente.

Para bem de todos!