De que Equipa são os Pais que aqui nos lêem?

Estávamos no Pediatra, e estavam dois Pais a passear orgulhosamente ao colo, as suas minúsculas filhas bebés.

Acho que até se olhavam entre eles, como forma de dizer – eu também sou dessa equipa, da equipa que apoia a mãe, que vem ao Pediatra em família, que divide tarefas, que carrega no colo, que acalma os choros e apazigua cólicas e fica acordado de noite.

Num outro dia, um outro Pai comentava, que ia comemorar os 15 anos da filha, pois nos últimos 12 anos tinha dedicado o tempo ao negócio de família, pelo qual achava que se tinha que dedicar inteiramente daí para cá. Mas naquele dia ia deixar a empresa e ia fazer uma coisa mais importante, passar o dia com a sua filha!

Sem duvida, que tal como as Mães, os Pais são igualmente importantes no desenvolvimento de uma criança.
A presença é muito importante, o acompanhamento, as ações, o contributo que estão a dar aos filhos, à família e a eles. Pois o tempo passa e de repente as filhas já tem 15 anos e depois 18 e 20 e saem de casa e depois nunca mais volta a ser igual.

Aproveitem não só o dia do Pai, como todos os dias, para partilharem com os vossos filhos, as vossas vidas e darem a eles a oportunidade de partilharem as deles.
Carreguem no colo as menininhas e os menininhos quantas vezes as que puderem. E orgulhosos saiam por aí a mostrar que são da mesma equipa. Da equipa que está próxima dos meninos, das mães e das famílias.

 

O que eu aprendi com a Maternidade?

Se há uma coisa que nos transforma realmente é a Maternidade/Paternidade.

Até lá temos pequenas ideias do que possa vir a ser, mas só passando e só vivendo é que se pode dizer alguma coisa sobre o assunto. E mesmo assim não dá para definir numa só coisa.

O que somos, deixamos de ser. Para onde vamos, deixamos de ir. O que aprendemos, desaprendemos e aprendemos novas coisas. Adquirimos novos conceitos e formas de estar e largamos outras tantas. Deixamos de ser “nós os dois” e passamos a ser “nós os três” ou quatro. Muda tudo, a direcção e o foco, as crenças e as verdades. Tudo é redireccionado e toma um novo rumo. Novos sonhos, novas promessas, novos objectivos, novos medos, novas responsabilidades.

Criar uma família é:

  • reinventar-se todos os dias
  • alterar-se todos os dias com novas aprendizagens de todos e novas aptidões adquiridas,
  • ter um guião novo todos os dias que tem de ser improvisado sem tempo para decorar ou fazer até sentido do que se está a pensar
  • estar numa nova realidade.

Adaptamos. E a capacidade de adaptação é incrível. A nossa e a deles, se calhar a deles mais do que a nossa, na maior parte das vezes.

E tudo vale, pelos Filhos!

Eles nascem, crescem e continuam a crescer sem parar. A uma velocidade louca e impressionante.

Eles fazem de nós outras pessoas. Às vezes melhores, outras piores, mas por certo, sempre diferentes.

Fecha-se um ciclo. Começa-se outro. Cumpre-se um propósito.

E aqui vamos nós.