Filhos diferentes de Nós.

Uma das coisas que mais me dá gozo na Maternidade e que fico muitas vezes a pensar, é como os meus filhos são tão diferentes de mim.

Como é que dois seres que saíram de mim, são tão pouco parecidos comigo? Não digo fisicamente, isso eu sei que muda, que nascem igual ao Pai por causa da protecção da espécie, depois mudam e umas vezes saem à mãe, outras à tia, ao tio, tem os olhos da avó o queixo do avô. Há em geral nas famílias, pequenas discussões entre os diversos familiares, sobre a que lado saiu mais a criança e esta acaba “desmembrada” porque dizem que a parte de cima da cara é do pai, a de baixo da mãe, as pernas são as da avó e o cabelo é igualzinho ao da tia-avó do lado do pai do primo.

Então e o feitio?! Claro que obviamente haverá semelhanças e que existem as comparações sobre que feitiosinho é aquele?!

Bom, é disso que falo. Falo da sua maneira de estar e de ser e que tão bem já se nota em idades assim tão tenras.

Os meus têm a sua própria forma de estar, as suas personalidades bem definidas, têm o seu próprio jeito, as suas manias, as teimosias e os feitios.

Não é que eu tivesse alguma vez pensado nisso, em como seria e que agora fosse alguma expectativa frustrada, nada disso. Nunca pensei que era bom eles serem de determinada maneira ou de outra. Sempre deixei ver para crer! Mas causa-me muita curiosidade e admiração como eles criam o seu próprio Espaço no Mundo, com as suas próprias maneiras, vontades e quereres e não como cópia dos Pais. E ainda bem!

É assim também que aprendemos com eles, que nos surpreendem, que nos orgulhamos. E, é mesmo assim que saberemos que eles serão sempre melhores que Nós!

Como este dia se tornou tão especial? O dia 23 e a sua energia mais que positiva!

Não faças o que eu faço… O verdadeiro exemplo que damos aos nossos filhos.

Pequenos (e os) pecados.

Quem foram as primeiras pessoas a saberem da gravidez?

Ora aqui está um assunto que diverge muito.

Há pessoas que não têm problema nenhum em contar mal descobrem a noticia e mais umas quantas pessoas que guardam a notícia até mais tarde, normalmente contorcendo-se sempre para que ninguém descubra, porque nestas coisas queremos ser nós a contar esta notícia tão maravilhosa.

Claro que se passamos pelo processo de andar a controlar e a fazer testes de gravidez, logo na segunda semana já é possível ver a tão desejada risquinha mesmo que muito, muito ténue e a segunda pessoa a saber além de nós, é o pai da criança, pois claro. E a partir daí, a seguir à notícia ser confirmado na ecografia na consulta com o médico obstetra, mais ninguém fica a saber pelo menos até as 12 semanas, principalmente se formos do tipo de esperar até as coisas estarem realmente seguras (que nunca estão mas pelo menos há mais probabilidades).

Aqui foi assim!

Então se não contamos aos nossos Pais, nem amigos, nem colegas de trabalho, andamos ali a remoer todos os dias, não é?

  1. primeiro para que ninguém descubra nem faça questões sobre porque que só tomamos um café, porque que nos afastamos de ambientes de fumo como se estivesse lá satanás, e porque que vamos tantas vezes à casa de banho.
  2. E depois a remoer porque queremos tanto contar a novidade, queremos tanto partilhar tudo o que sentimos e todas as expectativas e ansiedades.

Mas há outro sítio onde somos obrigadas a contar. (Lembrem-me lá de mais.)

Acho que a seguir ao Pai, às meninas de um fórum do qual eu fazia parte onde na altura ninguém se conhecia, e ao Obstetra, a quem eu tive mesmo que contar foi ao Médico Dentista. E das duas gravidezes!

Com receio da anestesia e também porque tive que fazer um raio-x ao qual tive que proteger a barriga com um avental de chumbo bastante pesado, tive mesmo que dizer que estava grávida. Confesso que foi estranho. Dizê-lo, na altura era bem mais difícil do que pensava.

Mas também confesso que me deu algum gozo poder falar tão abertamente deste assunto tão preferido no momento.

Bom, aqui resolvemos esperar pelas 12 semanas para contar a todos. E depois aí, sim foi um alívio.

Agora quero saber por aí o que optaram por fazer. Contar logo ou esperar?

E depois, quem foram as primeiras pessoas a saberem do gravidez?

Óleos Essenciais e a Maternidade – o que falta saber?

Dando continuidade ao meu interesse crescente sobre o tema, fiz um Workshop de Óleos Essenciais e a Maternidade.

Não só por curiosidade ou uso próprio, mas porque acho que divulgando poderei chegar a mais pessoas e assim ajudar.

A oradora, uma Americana com 3 filhos pequenos, que usa os óleos essenciais há 8 anos e trabalha com plantas há 13, partilhou um pouco (muito) da sua sabedoria.

Ela própria usou em si os Óleos, assim como em diversas situações com os filhos e a determinada altura ela sentiu que realmente os eles mudaram a sua vida.

– Um aparte, e por questões éticas, não há testes efectuados em grávidas, nem em bebés recém-nascidos.

Algumas mulheres dispuseram-se a partilhar as suas experiências e deram o seu testemunho.

Acho que o mais importante a reter e que convém saber, é que com cuidado, informação correcta e bom senso, os óleos essenciais também podem ser usados nos seguintes casos:

  • na Gravidez;
  • no Parto e no pós-Parto;
  • em Bebés.

Mesmo em alturas tão sensíveis e delicadas como estas que envolvem a Maternidade, é possível ter uma qualidade de vida e bem estar com a ajuda dos Óleos Essenciais.

Para se ficar com ideia, de seguida algumas situações que os óleos ajudaram a eliminar, ou a amenizar as sensações:

Na gravidez – dores, inchaço, insónias, enjoos, cansaço, digestões difíceis, obstipação, ansiedade.

No Parto– situações como falta de foco ou confusão mental, contrações dolorosas.

No pós-Parto – sono, cansaço, cicatrização mais rápida, depressão pós-parto.

Em Bebés – cólicas, regulação do sono, assaduras, febre, fungos.

(idealmente só a partir de 1 ano de idade – Ver sempre diluições recomendadas para as diferentes idades.)

São situações já de si tão complicadas, que às vezes, com uma simples gota, se resolve um determinado problema sem necessidade de recorrer à medicina tradicional e sim de uma forma natural.

Mais uma vez reforço, porque assim também foi me transmitido, estes óleos devem ser usados com consciência, deve haver informação precisa da origem dos mesmos (certificar que são 100% puros) e das diferentes aplicações conforme os casos.

Para mais detalhes e informações concretas enviar mensagem.

Convido a deixarem um testemunho, se com a ajuda do óleo conseguiram ultrapassar alguma situação das acima mencionadas ou outra, relacionada com Maternidade.

Ler também:

A preferência pelo mais natural. Óleos essenciais.

Aromaterapia – as primeiras 4 dúvidas.

Aromaterapia, as nossas primeiras experiências.

Iniciação à Aromaterapia

Este tempo que passa sem vermos e que passa cada vez mais a correr.

Passam-se dias que nem dá-mos por eles.

É tanta a correria, as coisas todas que fazemos num dia, que eles passam sem os sentirmos.

Até que paramos e dá-mos conta que os nossos filhos cresceram, que deram um pulo gigante. Ficamos a observa-los e a pensar, mas como é que foi que eles ficaram assim?! Estão tão grandes, as coisas que já fazem e já dizem. Como foi que passou o tempo desde a última vez que olhei para eles desta maneira?! O tempo foge.

Paramos e sentimos vontade de parar o tempo também, eternizar aquele momento para não nos esquecemos como cresceram, como desenvolveram, como se estão a tornar meninos cheios de habilidades.

E pensamos que não queremos que o tempo possa voltar a passar tão rápido para não voltarmos a sentir que estamos a perder momentos entre as vezes que paramos a olhar para eles com olhos de ver.

Quem mais sente isto?

Quem sente que quer agarrar o tempo com os dedos e ele escorre por entre eles?

cropped-beautiful-bright-close-up-357501-02-1.jpg

Iniciação à Aromaterapia

Há imensa coisa para o qual não nos preparam para a Maternidade, já sabemos, e uma delas é o aparecimento das variadas doenças e mal-estares dos nossos pequeninos.

Claro que há imensos miúdos que nunca ficam doentes. Mas na verdade estou sempre a ouvir Mães a queixarem-se das pequenas doenças dos filhos e nós por aqui também não somos exceção.

Uma das muitas vantagens de ter este blog, é que vou acabando por ter contacto com outras Mães, também bloguers ou não, que acabam por passar muita informação válida, experienciada pelas próprias e pela respetiva família, sobre os mais variados assuntos.

Um deles despertava-me especial atenção, pois era um assunto que me preocupava recorrentemente. Especialmente na altura do frio, volta e meia lá estavam o João e a Beatriz com pingo no nariz, que rapidamente passava a ranho, verde (sim, é mesmo assim), que logo passava a infeção e que num instante os fazia ter febre, tosse, otite, bronquiolite, por aí fora, o que obrigatoriamente nos levava às urgências, às consultas, a ir à farmácia, a ficarem em casa dias, a ter que arranjar quem ficasse com eles ou a faltar e a tomarem medicamentos.

Demos mais vezes do que queríamos antibióticos aos nossos filhos, antipiréticos e anti-inflamatórios nem se fala. Cremes, pomadas, gotas e mais uma infinidade de medicamentos que fomos comprar, obviamente na farmácia. Nem quero imaginar o que isto lhes pode fazer, mas a verdade é que não tínhamos outra solução. Fazemos isto tudo, claro, porque as coisas estão assim definidas, seja pela sociedade, seja pelo senso comum. Mas mais do que aliviar sintomas ou tratar estas doenças eu queria prevenir, pensava mais em como lhes podia reforçar o sistema imunitário, para que não andassem, mês a mês, a correrem para os médicos.

Então e o que faziam estas Mães para aliviar estes sintomas e para que estes cenários não se repetissem constantemente?

Usavam ÓLEOS ESSENCIAIS.

Resolvi pesquisar um pouco mais, perguntar aqui e ali e a certa altura uma amiga explicou-me um pouco mais dos Óleos Essenciais e das suas aplicações, que os usava frequentemente e que lhe tinha resolvido problemas relacionados com alergias, problemas respiratórios etc.

Comecei por comprar um difusor, comprei alguns óleos aqui e ali, mais uns que tinha em casa e comecei a usar. A verdade é que sem apoio e sem grande conhecimento, acabei por começar isto da forma errada. Comprei óleos que não eram biológicos, nem terapêuticos, nem 100% puros. Rapidamente percebi que não os ia conseguir usar para os objectivos que pretendia, nem tirar partido na sua totalidade.

Pouco tempo depois esta minha amiga informou-me que haveria  um Workshop de Aromaterapia no Porto, da marca  – DoTERRA e fui.

Foi essencial este Workshop. Comecei a conhecer um pouco mais os diferentes óleos e as suas excecionais características, os diferentes procedimentos e as infinitas aplicabilidades. Percebi que iria fazer muito mais com eles do que aquilo que me tinha levado ali. Fiquei com a certeza que iria ter acesso a óleos de qualidade, 100% puros, com um elevado grau terapêutico e que iria tirar partido totalmente destes óleos essenciais. 

A Luísa foi impecável na transmissão destes conhecimentos, é uma pessoa muito positiva, totalmente de bem com a vida, que nos transmitiu toda aquela energia que a marca doTERRA pretende transmitir. Saí dali a ter a certeza que tinha  encontrado a solução para os pequenos problemas do dia-a-dia e que muita coisa iria melhorar cá por casa.

Desde:

  • Purificar o ar
  • Acabar com as tosses
  • Curar febres.
  • Melhorar humores
  • Reduzir o stress,
  • Aliviar dores musculares.
  • Purificar o organismo

Até uma infinidade de outras coisas mais.

Inscrevi-me na Doterra, recebi o Kit aromatouch e comecei a aplicar de imediato no nosso dia-a-dia.

Leiam o próximo artigo aqui, para saberem como o experimentamos aqui por casa.

Se quiserem informação mais detalhada é só enviar mensagem por aqui.

 

Mães

Há as estóicas, as faladoras, as queixinhas, as que varrem tudo à frente, as fortalhaças, as que precisam ainda de crescer, as que já são crescidas, as que sofrem, as que nem ligam, as que dormem muito bem, as que dizem que nunca mais irão dormir.

As que têm “mini mes”, as que tem filhos muito diferentes de si. As que passam as passas do Algarve, as que assobiam para o lado. As que estão em casa e estão bem, as que estão em casa e estão mal, as que têm empregos e queriam estar em casa, as que têm empregos e só querem lá estar.

As que são Mães de muitos filhos, sem os ter. As que não conseguem ser Mães e as que conseguem, mas nunca serão Mães.

As que são positivas e as que só conseguem ver tudo negativo. As descontraídas e as preocupadas, as Mães galinha e as Mães ursa.

As que conseguem dar prioridade a si e as que fazem dos filhos a prioridade da vida. As que deram logo conta do recado e as que vão fazendo por isso.

As malabaristas, as ilusionistas e as cómicas.

As brilhantes e as criativas, as terra-a-terra e as coragem. As boazinhas e as bruxas, as espertinhas e as espertalhaças,

Mães que conheci. As Mães que me ajudam a ser a Mãe que sou!

Feliz dia da Mãe!

by A Mãe é minha! dizem eles 😉

peter-bucks-684017-unsplash.jpg
Photo by Peter Bucks on Unsplash

Caça ao OVO – actividades de Páscoa!

O final da manhã de domingo foi de Caça aos Ovos.
Queríamos fazer uma atividade ligada à Páscoa com os nossos filhos e apareceu esta promovida por Serralves, que achamos interessante. Inscrevemo-nos e lá fomos os quatro.
À Entrada:
Ansiosos por ver o que os esperava.
img_2842A Primeira etapa:

Um Jogo. A partir de imagem de um animal selecionada, tinham que ir respondendo a perguntas e ir seguindo as indicações até chegarem ao animal correspondente. Acertando tinham direito a um carimbo no Passaporte “Caça ao Ovo”.

E acertamos. 1º Carimbo conseguido!Estaríamos na direção certa para o próximo desafio?img_2859.jpgO Segundo etapa foi tão gira, que nem temos registo fotográfico. Consistia em imitar as abelhas a recolher Néctar das flores, por isso tinham que apanhar a maior quantidade possível de bolas coloridas espalhadas pelo parque, coloca-las nas saquinhos que levavam presos de lado como as abelhas e no final deposita-las na colmeia. A Beatriz achou muito giro!

Mais um carimbo conseguido. Siga para o próximo ponto.

Aqui estávamos na terceira etapa: A partir de algumas imagens tinham que se dividir em duas equipas e jogar o jogo de mímica. Quem acertasse, ganhava. E ganharam todos, assim como um novo carimbo no passaporte.img_2877.jpgÚltima etapa, também sem fotos de registo, mas consistia num jogo de “quem é quem” com árvores e animais como tema. Escolhíamos à sorte uma imagem e a equipa contrária teria que ir fazendo perguntas até adivinhar qual seria essa imagem. Foi difícil, mas mais uma vez ganharam todos e novo carimbo no Passaporte.

Com o Passaporte preenchido, só nos faltava descobrir o local que as pistas  nos davam. Estas eram: Folha de Carvalho, rã, libelinha e pato. Onde nos levariam estas pistas? Onde seria o ultimo ponto onde se encontravam os ovos?

No lago, pois claro!img_2894.jpg

E viva!

Descobrimos onde estavam os ovos, faltava o último carimbo e o prémio  – o OVO da Páscoa!

E agora escolher qual o Ovo a levar para casa.

Sem largarem os desejados ovos, vieram mostrar aos patinhos o Prémio!img_2920.jpg

img_2933.jpg

E a recompensa final!img_2960

É verdade, era mesmo chocolate.

Todo este passeio permitiu-nos mais uma vez explorar o Parque, assim como visitar os animais.

Visitar a horta e o jardim.

Abraçar árvoresimg_3019

Passear nas veredasimg_3027.jpg

Correrimg_3036Chegar às árvores e aos ramos.

Para ver Arte.img_3046

E para passarmos bons momentos juntos.

Mais uma vez, uma atividade em Serralves que gostamos bastante. Mesmo com um tempo em que ameaçava chover, isso não nos demoveu de a realizarmos e ainda bem.

 

 

 

O que recordam dos tempos antes do nascimento do vosso primeiro filho?

É com muita saudade e nostalgia que recordo os tempos que antecederam o nascimento do meu primeiro filho.

Desde os 3 meses de gravidez que fiquei em casa e por isso não me faltou tempo, nem tive limitações para preparar tudo ao mínimo pormenor. Para imaginar mil vezes como seria a carinha do meu bebé, para imaginar mil vezes como seria tê-lo quentinho nos meus braços, sentir-lhe o cheirinho, dar-lhe beijinhos e colinho.

Começamos logo a interagir com eles, ainda antes de nascerem e imaginamos as mil e uma coisas que tenha a ver com a chegada deles.

Lembro-me perfeitamente de fazer listas de tudo e mais alguma coisa. Desde o que levar para a maternidade, lista para os primeiros tempos, para o primeiro ano de vida. O que precisava para o quarto, para o banho, para o passeio, para a comida. De fazer as listas do que precisava comprar, de comparar preços, perceber onde compensava mais comprar e qual marca. De começar a magicar o que podia ser eu a fazer em vez de comprar e do que precisava de arranjar para que isso fosse possível.

Lembro-me tão bem de lavar as roupinhas e de as ver todas no estendal alinhadas e do cheirinho que saía dali, e que não voltou nunca mais a ser igual. De fazer os conjuntinhos e de os guardar nos saquinhos próprios para a maternidade separados por dias. De guardar nas gavetas as roupas por tamanhos, tipos e cores.

Foram momentos muito doces. De sonhos quase vividos, de esperança que tudo ia correr bem, de fantasia do que queríamos fazer, de construção do ninho e de muito amor.

Não volta a ser igual. Nessa altura estamos a aprender a ser Mães, aos pouquinhos. Ao direccionarmos todas as atenções e pensamentos para o nosso bebé que temos na barriga, vamos largando o Eu e acrescentando aos poucos o Nós. Tudo o que fazemos anda à roda daquela barriga e do projecto que ali se está a criar. E podem passar os anos que forem que isto é tão forte que nunca na vida se poderá esquecer.

E depois, mesmo que se repita a experiência, nunca mais teremos aquele silêncio quando estávamos só nós e a nossa barriga, só nós e os nossos pensamentos sobre todo o desconhecido envolvido e a ansiedade. Não volta a ser igual.

Volta a ser bom e volta a dar muitas saudades. Tudo com outra sabedoria e com menos medos e ansiedades. Com novos sonhos e alegrias. Tudo em rosa e em rendinhas, em vestidos com folhos pequeninos. Ou de outras cores, com outros sabores, com outras memórias.

E assim com estas memórias, vamos diminuindo a saudade e por breves instantes revivemos esse passado tão doce. E relembramos aquela Mãe em construção, aquela Mãe envolta em sonhos e em esperança, a que acreditava que tudo era possível, que o melhor estava ali a ser vivido, e que aqueles tempos podiam nunca mais voltar.

Banheira Shantala – Top 10 – essenciais da Maternidade

A viagem começa aqui

Como controlar as emoções quando elas teimam em aparecer?

Conseguem controlar as emoções, ou deixam-se ir e logo se vê?

Acho que nunca mais chorei a sério depois de ter filhos. Aquele chorar de lavar a alma, de limpar, de deitar fora o que já não serve, aquele chorar que purifica. Sabem esses? Nunca mais tive! Não sei porquê, mas quando estou quase naquele momento de abrir a torneira não consigo, não dá, não sei.

Desde que tive as crianças que não me lembro de ter uma grande choradeira. Penso que deve ser porque não tenho nada realmente para estar profundamente triste. Sinto-me bem, completa, não tenho nada na verdade porque chorar, é uma coisa que me intriga, ás vezes até dava jeito, mas não dá.

Não é tristeza, é emoção mesmo!

Já a lágrima fácil, os olhos embaciados e a choraminguisse, essa pinga a cada passo. Basta ver:

    uma cena mais lamechas,
    algum episódio que meta bebés,
    situações mais sensíveis com crianças,
    ou alguma coisa que meta os meus meninos…
  • E lá estou eu de lágrima teimosa no olho, o nariz começa a picar e a fazer comichão. E nesse momento é melhor pensar noutra coisa e sair dali a correr.
  • Se estou com alguém então chego a parecer mal educada. Ou pelo menos não muito simpática, porque me calo ali mesmo e não há mais conversa! Já me aconteceu, por exemplo, estar a falar com mães dos amiguinhos dos meus filhos, de alguma situação sobre eles que me deixa mais sensivel e a determinada altura tenho-me que me calar. Simplesmente fico calada a olhar para o infinito, tipo “nem estou aqui!” A voz começa-me a fugir e acabo a conversa, mesmo que não chegue a terminar a ideia. Paciência!

    Das duas uma, ou outras mães disfarçam muito bem, como eu tento fazer com mesmo muito esforço, ou então devo ser a Mãe mais piegas e choramingona que conheço.

    A maternidade não vos pregou uma rasteira neste aspecto e não vos meteu a choramingar por tudo?

     

     

     

    Banheira Shantala – Top 10 – essenciais da Maternidade

    Se quiserem mesmo saber o que adorei usar nos primeiros tempos de Maternidade, esta foi sem duvida uma das melhores!

    A banheira Shantala, Tummy Tub, ou se quiserem a banheira Balde.

    Quem é que nunca ouviu de outros pais, que nem sempre era fácil dar banho aos bebés? Os relatos não eram muito animadores, os bebés choravam muito, mexiam-se imenso, havia o receio de os deixar escorregar, os pais tentavam trinta por uma linha e no final, uma experiência que devia ser tão boa e relaxante, era tudo menos isso. Havia também quem referisse o uso de adaptadores, tapetes e artefactos para ajudar a dar banho aos seres minúsculos e escorregadios, mas isso ainda assim me parecia muito pouco prático e pouco eficaz.

    Pois, como todos acabamos por fazer, fui pesquisar! Fui ver como faziam outros pais e havia muitos testemunhos que falavam super bem das banheiras Shantala, das suas experiências e os comentários eram de facto o oposto de todos os que tinha ouvido falar. Vejamos:

    • Os bebés entravam e saiam do banho sempre serenos;
    • Era super relaxante para eles;
    • Por ser um espaço mais pequeno, era um ambiente mais controlado, sem correr o risco deles escorregarem
    • Era uma experiência realmente pacífica para todos;
    • O bebé era parcialmente mergulhado até à zona dos ombros por ser um recipiente vertical, o que permitia de alguma forma simular o ambiente do útero Materno;
    • E que o banho era afinal uma boa experiência

    Então como gosto de experimentar coisas novas e como tudo me fazia sentido, não tive dúvidas, eu queria uma para o meu bebé! E não foi difícil arranjar.

    Na altura fiz umas aulas pré-parto de Pilates para Grávidas na Gimnogravida. Adorei estas as aulas! Mas isso ficará para falar noutra altura, prometo.

    Havia a magnifica banheira Shantala e trouxe para casa.

    (Assim como outros itens um pouco mais diferenciados e difíceis de encontrar na altura. A almofada de amamentação gigante, por exemplo.)

    Bom, então quando finalmente o João mergulhou na Banheira, percebemos logo que tinha sido uma boa opção. Uma carinha de bebé feliz, completamente relaxado e adaptado àquele ambiente. Quase que saía de lá a dormir.

    Basicamente, a banheira pode ser usada desde os primeiros banhos do bebé, até eles caberem na banheira. Por mim eles ainda a usariam hoje em dia!

    Depois é só necessário aprender uma ou duas técnicas para segurar o bebé. Nomeadamente a de segurar o bebé com a nossa mão em forma de pinça, pela frente de forma a ter a cabeça segura e sempre fora da linha de água e ao mesmo tempo com a outra mão dar o banho ao bebé. No fundo é o que nos ensinam nas aulas pré-parto para dar banho nas banheiras que chamamos normais e é perfeitamente possível o banho ser dado apenas por uma pessoa.

    Também há a questão de onde a podem colocar. Pois podem coloca-la em qualquer superfície plana ou até mesmo dentro da banheira dos adultos. No nosso caso, como dávamos banho no quarto, arranjei um material plastificado que colocava por baixo e dava mesmo ali para que não houvesse diferenças de temperatura. Mas são opções.

    Como em muita coisa cá em casa, esta banheira teve a sua segunda vida com a Beatriz e a experiência não se alterou muito. Os banhos aqui em casa sempre foram pacíficos sem grandes trabalhos e sempre foram momentos agradáveis e sem choradeiras.

    A nossa avaliação, de todos cá em casa é sem dúvida muito boa e faz parte do Top 10 dos itens da Maternidade. 

    Assim como Babywearing – Top 10 – essenciais da Maternidade

    Espero que em breve outro bebé seja feliz na nossa Shantala azul.

    deltashantalabanheiraazul

    Mais informação aqui.