Filhos diferentes de Nós.

Uma das coisas que mais me dá gozo na Maternidade e que fico muitas vezes a pensar, é como os meus filhos são tão diferentes de mim.

Como é que dois seres que saíram de mim, são tão pouco parecidos comigo? Não digo fisicamente, isso eu sei que muda, que nascem igual ao Pai por causa da protecção da espécie, depois mudam e umas vezes saem à mãe, outras à tia, ao tio, tem os olhos da avó o queixo do avô. Há em geral nas famílias, pequenas discussões entre os diversos familiares, sobre a que lado saiu mais a criança e esta acaba “desmembrada” porque dizem que a parte de cima da cara é do pai, a de baixo da mãe, as pernas são as da avó e o cabelo é igualzinho ao da tia-avó do lado do pai do primo.

Então e o feitio?! Claro que obviamente haverá semelhanças e que existem as comparações sobre que feitiosinho é aquele?!

Bom, é disso que falo. Falo da sua maneira de estar e de ser e que tão bem já se nota em idades assim tão tenras.

Os meus têm a sua própria forma de estar, as suas personalidades bem definidas, têm o seu próprio jeito, as suas manias, as teimosias e os feitios.

Não é que eu tivesse alguma vez pensado nisso, em como seria e que agora fosse alguma expectativa frustrada, nada disso. Nunca pensei que era bom eles serem de determinada maneira ou de outra. Sempre deixei ver para crer! Mas causa-me muita curiosidade e admiração como eles criam o seu próprio Espaço no Mundo, com as suas próprias maneiras, vontades e quereres e não como cópia dos Pais. E ainda bem!

É assim também que aprendemos com eles, que nos surpreendem, que nos orgulhamos. E, é mesmo assim que saberemos que eles serão sempre melhores que Nós!

Como este dia se tornou tão especial? O dia 23 e a sua energia mais que positiva!

Não faças o que eu faço… O verdadeiro exemplo que damos aos nossos filhos.

Pequenos (e os) pecados.

23 de Junho – Mais um dia de Aniversário a dobrar.

Mais um ano!

Já lá vão 5 e já lá vão 3, de vidas pequeninas.

5 Anos e 3 da minha vida que nunca mais foi a mesma! Que me dá alegrias e trabalhos, às vezes em igual proporção. Os meus filhos cada vez mais companheiros, mais tagarelas, mais respondões e destemidos. Cada vez mais lindos e engraçados (Eu, suspeita número 1).

Mas a privilegiada sou mesmo eu.

5 Anos e 3, de costas e braços cansados de tantos colos, cabelos em pé de tantas birras e asneiras,  de idas à casa de banho sempre acompanhada, de noites dormidas com um braço ou dois debaixo deles, de comer a comida fria, o café gelado, de nunca conseguir fazer as minhas coisas até ao fim, mas de no fim, olhar para trás e ver que quem lucrou fui eu.

Da companhia deles, dos risos, de acalmar os choros, de acompanhar a sua evolução, as conquistas e o crescimento.

Passa a voar é certo, não consigo perceber para onde foram estes anos, mas uma coisa sei, tenho a certeza que mais não podia ter feito. Que o tempo que tive livre foi na maioria partilhado com eles.

Carinhas de felicidade, abraços sem fim, beijos até perder de vista!

Então, que sortuda sou!

Como este dia se tornou tão especial? O dia 23 e a sua energia mais que positiva!

E se eles nascessem no mesmo dia? Hmmm….

 

Dia dos Manitos

Sou a irmã do meio. Foi fundamental para o meu crescimento e evolução a existência dos meus 2 irmãos.

Só os nossos irmãos nos conhecem e nos dizem o que precisamos ouvir, sem se importarem muito se vamos ficar zangados ou felizes, pois no fundo estaremos sempre todos ali.

São eles os primeiros companheiros e os primeiros de muitas brincadeiras. As descobertas são feitas a dois ou a três e os desafios são explorados por todos com as respectivas diferenças e semelhanças. E um vai puxando o outro. 

Eles são os limites pelos quais nos podemos guiar. Mas também são o apoio, o ombro incondicional e a base à qual podemos sempre voltar juntamente com os nossos Pais.

 

Dia dos Irmãos.

Que os meus filhos evoluam juntos se ajudem ao longo da vida. :*

 

amaeeminha-diadosirmãos

Mães

Há as estóicas, as faladoras, as queixinhas, as que varrem tudo à frente, as fortalhaças, as que precisam ainda de crescer, as que já são crescidas, as que sofrem, as que nem ligam, as que dormem muito bem, as que dizem que nunca mais irão dormir.

As que têm “mini mes”, as que tem filhos muito diferentes de si. As que passam as passas do Algarve, as que assobiam para o lado. As que estão em casa e estão bem, as que estão em casa e estão mal, as que têm empregos e queriam estar em casa, as que têm empregos e só querem lá estar.

As que são Mães de muitos filhos, sem os ter. As que não conseguem ser Mães e as que conseguem, mas nunca serão Mães.

As que são positivas e as que só conseguem ver tudo negativo. As descontraídas e as preocupadas, as Mães galinha e as Mães ursa.

As que conseguem dar prioridade a si e as que fazem dos filhos a prioridade da vida. As que deram logo conta do recado e as que vão fazendo por isso.

As malabaristas, as ilusionistas e as cómicas.

As brilhantes e as criativas, as terra-a-terra e as coragem. As boazinhas e as bruxas, as espertinhas e as espertalhaças,

Mães que conheci. As Mães que me ajudam a ser a Mãe que sou!

Feliz dia da Mãe!

by A Mãe é minha! dizem eles 😉

peter-bucks-684017-unsplash.jpg
Photo by Peter Bucks on Unsplash

Coisas dos últimos tempos

Depois de alguns dias, ausentes cá estamos.

As ausências não se devem a falta de atividades ou afazeres, antes pelo contrário. Na verdade não tenho conseguido arranjar aquele tempinho extra e energia necessária para vir aqui, mas aqui fica um pouco do que temos feito.

A Páscoa já passou e foi para aproveitar os 4 dias e ir em direção a sul onde estão os outros avós e restante família. Momentos sempre muito alegres e bem passados que deixam os pequenitos cheios de saudades quando temos que nos vir embora.

Houve passeios, andaram no Carrossel da Praça principal de Cascais, muito giro, visitem (ver foto). Faz as delícias dos pequeninos, e dos pais que tem que ir segurar os miúdos para não caírem, como eu. Lambuzaram-se no gelado da mítica Santini, foram ao cinema ver o Mr. Link (eu adorei!). Tiveram mais umas “Caça ao Ovo”, que resultam sempre em barrigadas a mais de chocolate e bigodes a condizer. Mas faz parte e divertem toda a gente!

Depois, menos bom, semana de meninos doentes, duas idas ao hospital, bombas e nebulizações, dias em casa, faltas ao trabalho, festas de anos a que não foram, faltas na escola, etc. Mas agora já passou e já se encontram melhores.

Entretanto tinha feito uma sessão de demonstração de produtos da Mary Kay pelas mãos da Sónia Martins que gostei muito e aconselho. Depois falarei um pouco mais da experiência, dos produtos e do resultado em si. Já agora relembro que vêm aí o dia da Mãe, nada como mimar as Mamãs! Ver aqui.

Aproveitei e fiz outro de maquiagem também da Mary Kay com a Sónia, que alterou um pouco também a forma de me maquilhar, para melhor espero ;). A marca tem produtos muito bons e diferenciadores. Falarei também um pouco de cada um que entretanto adquiri.

Fiz também um workshop de Aromaterapia, que adorei com a Luísa Cunha da Fragrancias da Terra que me foi indicado pela querida Susana Ferreira

Este tema da Aromaterapia tem-me despertado interesse nos últimos tempos. Quem tem miúdos que frequentemente sofrem de constipações, tosses etc. há que tentar de tudo para minimizar estes estragos, principalmente em mudanças de estação, alterações bruscas de temperatura, etc. Já tenho ouvido maravilhas acerca do uso dos óleos essenciais e do seu resultado positivo em casos de crianças com estes problemas respiratórios. Nada como experimentar. Acredito que isto possa mudar um pouco a realidade cá em casa, não só no que toca a esta área, mas noutras áreas também. Vou dando feedback dos resultados.

Agora, é voltar a estabilizar, entrar na rotina e deixar as coisas a rolar com menos stress. Deixar entrar os dias maiores e mais quentes e Viver com alegria!

E por aí?

Caça ao OVO – actividades de Páscoa!

O final da manhã de domingo foi de Caça aos Ovos.
Queríamos fazer uma atividade ligada à Páscoa com os nossos filhos e apareceu esta promovida por Serralves, que achamos interessante. Inscrevemo-nos e lá fomos os quatro.
À Entrada:
Ansiosos por ver o que os esperava.
img_2842A Primeira etapa:

Um Jogo. A partir de imagem de um animal selecionada, tinham que ir respondendo a perguntas e ir seguindo as indicações até chegarem ao animal correspondente. Acertando tinham direito a um carimbo no Passaporte “Caça ao Ovo”.

E acertamos. 1º Carimbo conseguido!Estaríamos na direção certa para o próximo desafio?img_2859.jpgO Segundo etapa foi tão gira, que nem temos registo fotográfico. Consistia em imitar as abelhas a recolher Néctar das flores, por isso tinham que apanhar a maior quantidade possível de bolas coloridas espalhadas pelo parque, coloca-las nas saquinhos que levavam presos de lado como as abelhas e no final deposita-las na colmeia. A Beatriz achou muito giro!

Mais um carimbo conseguido. Siga para o próximo ponto.

Aqui estávamos na terceira etapa: A partir de algumas imagens tinham que se dividir em duas equipas e jogar o jogo de mímica. Quem acertasse, ganhava. E ganharam todos, assim como um novo carimbo no passaporte.img_2877.jpgÚltima etapa, também sem fotos de registo, mas consistia num jogo de “quem é quem” com árvores e animais como tema. Escolhíamos à sorte uma imagem e a equipa contrária teria que ir fazendo perguntas até adivinhar qual seria essa imagem. Foi difícil, mas mais uma vez ganharam todos e novo carimbo no Passaporte.

Com o Passaporte preenchido, só nos faltava descobrir o local que as pistas  nos davam. Estas eram: Folha de Carvalho, rã, libelinha e pato. Onde nos levariam estas pistas? Onde seria o ultimo ponto onde se encontravam os ovos?

No lago, pois claro!img_2894.jpg

E viva!

Descobrimos onde estavam os ovos, faltava o último carimbo e o prémio  – o OVO da Páscoa!

E agora escolher qual o Ovo a levar para casa.

Sem largarem os desejados ovos, vieram mostrar aos patinhos o Prémio!img_2920.jpg

img_2933.jpg

E a recompensa final!img_2960

É verdade, era mesmo chocolate.

Todo este passeio permitiu-nos mais uma vez explorar o Parque, assim como visitar os animais.

Visitar a horta e o jardim.

Abraçar árvoresimg_3019

Passear nas veredasimg_3027.jpg

Correrimg_3036Chegar às árvores e aos ramos.

Para ver Arte.img_3046

E para passarmos bons momentos juntos.

Mais uma vez, uma atividade em Serralves que gostamos bastante. Mesmo com um tempo em que ameaçava chover, isso não nos demoveu de a realizarmos e ainda bem.

 

 

 

Quanto não vale viver em Portugal?

Quando começo a vestir só duas peças de roupa para sair de casa, sinto-me logo melhor.

De facto somos uns sortudos, que chega a Março, às vezes mesmo em Fevereiro, já temos dias de sol radioso e temperaturas mesmo agradáveis.

O peso da roupa sai e o “peso” dos dias também. Acordamos de manhã, é já dia e o sol já vai alto. Vestimos então, roupa mais leve e as peças mais coloridas saem dos cabides.

Também pensamos logo em como vai ser o dia dos nossos filhos e pensamos que se não lhes vestirmos peças mais leves, vão transpirar e nem vão dar conta disso e depois apanham frio e ficam doentes (isto para quem tem filhos que volta e meia ficam constipados e ranhosos). Então, lá vestimos as peças em camadas, para que esperando que eles ou alguém, vão tirando ou colocando como precisarem.

Sabe tão bem sair de casa e sentir uma brisa fresca, voltar a sentir o sol a aquecer depois dos meses frios de Inverno. Todo o ar se torna mais leve, as pessoas mais sorridentes e bem dispostas. Dá logo vontade de comer mais frutas, saladas e beber mais líquidos, fazer exercício e essas coisas todas que estivemos a pensar fazer nos últimos meses, mas que só agora o fazemos naturalmente e por vezes sem grandes sacrifício.

Planeamos piqueniques e passeios no parque. E tudo o que envolva ar livre e brincadeiras na natureza. Só queremos sair e meter os nossos filhos a correr e a explorarem por onde estiverem.

E viva a Primavera!!

Que planos têm vontade de pôr em prática?

De que Equipa são os Pais que aqui nos lêem?

Estávamos no Pediatra, e estavam dois Pais a passear orgulhosamente ao colo, as suas minúsculas filhas bebés.

Acho que até se olhavam entre eles, como forma de dizer – eu também sou dessa equipa, da equipa que apoia a mãe, que vem ao Pediatra em família, que divide tarefas, que carrega no colo, que acalma os choros e apazigua cólicas e fica acordado de noite.

Num outro dia, um outro Pai comentava, que ia comemorar os 15 anos da filha, pois nos últimos 12 anos tinha dedicado o tempo ao negócio de família, pelo qual achava que se tinha que dedicar inteiramente daí para cá. Mas naquele dia ia deixar a empresa e ia fazer uma coisa mais importante, passar o dia com a sua filha!

Sem duvida, que tal como as Mães, os Pais são igualmente importantes no desenvolvimento de uma criança.
A presença é muito importante, o acompanhamento, as ações, o contributo que estão a dar aos filhos, à família e a eles. Pois o tempo passa e de repente as filhas já tem 15 anos e depois 18 e 20 e saem de casa e depois nunca mais volta a ser igual.

Aproveitem não só o dia do Pai, como todos os dias, para partilharem com os vossos filhos, as vossas vidas e darem a eles a oportunidade de partilharem as deles.
Carreguem no colo as menininhas e os menininhos quantas vezes as que puderem. E orgulhosos saiam por aí a mostrar que são da mesma equipa. Da equipa que está próxima dos meninos, das mães e das famílias.

 

As Mães que também ficam doentes!

Nós achamos que as nossas Mães são resistentes, porque elas estão sempre dispostas a ajudar.
Nós achamos que as nossas mães não estão cansadas porque nunca se queixam e fazem-nos tudo. E achamos que nunca ficam doentes, porque são Super Mulheres e que vão ficar connosco para sempre!
Mas as nossas mães também se cansam e as nossas mães também ficam doentes. E também ficam frágeis. E quando estamos perante isso, pensamos no quanto o certo pode ser o não certo. Nunca iremos estar preparados. Faz parte de nós e da nossa existência. Podemos estar mais próximos ou mais afastados mas sabemos que podemos sempre contar com elas, que elas estarão sempre lá. Essa certeza dá-nos paz, dá-nos conforto. Dá-nos um género de amnésia do que pode ser a realidade.

Agora fazem o mesmo pelos nossos mais pequeninos. Voltamos a poder contar com elas e eles também.

E se a nossa Mãe é das que se desdobra e multiplica por nós, acabamos por receber essa herança e sem pensarmos nisso reproduzimos com os nossos filhos, sem queixas, sem pensar e sem pedidos de volta. E mais uma vez estamos a perpetuar este efeito mágico que passa de geração em geração.

 

Ler também:

As Mães, não há duvida, têm aquela coisa!

 

 

Óculos para crianças: 4 dicas importantes a considerar

Quando pensamos em óculos e crianças achamos que não nos vamos precisar preocupar tão cedo.

A menos que exista algum problema mais sério, que se detecte logo nos primeiros tempos; ou se a criança dá algum sinal de que não vê bem.

Senão pensamos que visão é uma coisa que só piora com a idade. Eu só agora comecei a usar óculos e só para fins específicos. E curioso, o oftalmologista disse que se eu nunca tivesse aprendido a ler e consequentemente a esforçar-me ao usar computador no dia-a-dia, nunca na vida iria precisar de óculos. Incrível, não é?!

Ora, pois a realidade não é bem esta. Na verdade, cada vez mais crianças necessitam de óculos. Seja porque há mais vigilância e rastreio e por isso se detectem mais casos mais cedo, ou porque realmente alguma coisa se alterou, há mais meninos e meninas a precisar de usar óculos.

Aos 2 anos o João, participou num Rastreio onde descobrimos que algo não estaria bem e iria ter que ser visto por um oftalmologista. Mais informação sobre o Rastreio aqui.

Mais tarde na consulta confirmou-se que teria que usar óculos por tempo indeterminado. Claro que não imaginamos nunca o nosso bebé de óculos. Toda a logística, tudo o que está envolvido, mas enfim. Começamos por tentar perceber qual o modelo mais adequado e experimentamos vários. Demos prioridade a que fossem práticos e funcionais, afinal ele tinha 2 anos. Optámos das duas vezes que comprámos pela marca Nano. 

4 dicas importantes:

1. Na escolha da armação convém integrar os pequenos na escolha; além de optar por um modelo que os favoreça, é bom que eles sintam que fazem parte do processo de escolha. É muito importante que sejam leves, confortáveis e adaptados à carinha deles para que não fiquem grandes ou pequenos demais e que não escorreguem no nariz. E é crítico que não consigam olhar por cima das lentes.

2. Quanto às lentes, a qualidade é dos aspetos mais importantes sendo que devem ser leves e resistentes.

3. Em relação ao material utilizado nos óculos de criança, nós optamos por armações de silicone pois não partem ao dobrar. Há outras opções mas convém que sejam flexíveis e leves.

4. E claro que a prescrição para óculos de criança deve ser sempre feita por um oftalmologista pediátrico. É muito importante que seja feito um exame adequado, para a recuperação visual da criança.

E assim tem sido desde há dois anos. O João adaptou-se muito bem e o que parecia ser um problema, passou a estar perfeitamente integrado na rotina de todos.

Mas como não há uma sem duas, a Beatriz também fez o rastreio aos 2 anos e também foi detectado um problema. Na consulta confirmou-se que também precisava de óculos.

Duas coisas:

1. Sem este rastreio poderíamos só descobrir muito mais tarde que eles não viam bem. Nunca tivemos qualquer sinal de que eles não vissem bem. Para eles o normal é verem dessa forma, não conseguem perceber e alertar de que algo não está bem.

2. Mesmo sem uma previsão de correção definitiva, a verdade é que o João nestes dois anos já diminui um pouco nas dioptrias.

Aqui ficam também umas dicas úteis para que eles se habituem rapidamente ao uso de óculos:

1. Reforços positivos: nunca repreender se eles não usarem os óculos e optarem sempre por elogiarem e mostrarem o quanto é importante usarem.

2. Ensiná-los a guardar na caixa sempre que os tirarem, o que ainda é difícil.

3. Mostrar que várias pessoas na família também usam, se isso se verificar. Caso contrário é procurarem nos desenhos animados ou personagens com que eles se identificam, para terem referências.

Para quem vai precisar, boa sorte.

Deixem aqui as vossas experiências.