Dia dos Manitos

Sou a irmã do meio. Foi fundamental para o meu crescimento e evolução a existência dos meus 2 irmãos.

Só os nossos irmãos nos conhecem e nos dizem o que precisamos ouvir, sem se importarem muito se vamos ficar zangados ou felizes, pois no fundo estaremos sempre todos ali.

São eles os primeiros companheiros e os primeiros de muitas brincadeiras. As descobertas são feitas a dois ou a três e os desafios são explorados por todos com as respectivas diferenças e semelhanças. E um vai puxando o outro. 

Eles são os limites pelos quais nos podemos guiar. Mas também são o apoio, o ombro incondicional e a base à qual podemos sempre voltar juntamente com os nossos Pais.

 

Dia dos Irmãos.

Que os meus filhos evoluam juntos se ajudem ao longo da vida. :*

 

amaeeminha-diadosirmãos

Mães

Há as estóicas, as faladoras, as queixinhas, as que varrem tudo à frente, as fortalhaças, as que precisam ainda de crescer, as que já são crescidas, as que sofrem, as que nem ligam, as que dormem muito bem, as que dizem que nunca mais irão dormir.

As que têm “mini mes”, as que tem filhos muito diferentes de si. As que passam as passas do Algarve, as que assobiam para o lado. As que estão em casa e estão bem, as que estão em casa e estão mal, as que têm empregos e queriam estar em casa, as que têm empregos e só querem lá estar.

As que são Mães de muitos filhos, sem os ter. As que não conseguem ser Mães e as que conseguem, mas nunca serão Mães.

As que são positivas e as que só conseguem ver tudo negativo. As descontraídas e as preocupadas, as Mães galinha e as Mães ursa.

As que conseguem dar prioridade a si e as que fazem dos filhos a prioridade da vida. As que deram logo conta do recado e as que vão fazendo por isso.

As malabaristas, as ilusionistas e as cómicas.

As brilhantes e as criativas, as terra-a-terra e as coragem. As boazinhas e as bruxas, as espertinhas e as espertalhaças,

Mães que conheci. As Mães que me ajudam a ser a Mãe que sou!

Feliz dia da Mãe!

by A Mãe é minha! dizem eles 😉

peter-bucks-684017-unsplash.jpg
Photo by Peter Bucks on Unsplash

O corre-corre dos tempos de hoje.

Estamos sempre atrasados e nunca temos tempo para nada. Andamos num corre-corre todo o dia.
De manhã acordamos e já estamos atrasados. Dou por mim a dizer todos os dias:

“Vamos lá rápido, já é tarde estamos atrasados!”

As crianças nem percebem bem porquê. Entregamo-los a correr e vamos a voar para os empregos, porque já estamos atrasados. Fazemos tudo a correr porque há sempre imenso que fazer, porque é claro, já estamos atrasados. Já devíamos ter feito isto e aquilo, entregue isto e aqueloutro.

Vamos almoçar rápido porque queremos fazer mais 2/3 coisas naquela 1 hora minúscula. E voltamos a correr!

Ao fim do dia voamos mais uma vez para ir busca-los e mais uma vez (sentimos que) estamos novamente atrasados para os ir buscar. Chegamos a casa e o corre-corre não acaba. Entre fazer jantar, as tarefas e as brincadeiras é “mais uma vida” e de novo a sensação que já devíamos ter feito mais coisas e o jantar vai atrasar.

O jantar prolonga-se mais um pouco, mas chega a uma altura e de novo apressamos a final do jantar porque depois começa a ser tarde.
Hora de ir dormir e de novo o:

“Vá, vamos rápido que já é tarde!”

Infelizmente na nossa cabeça, isto já soa normal. Não paramos para pensar nisto, acho que até já o fazemos sem necessidade e mais por hábito, pela cultura que se criou, pela sociedade que já é assim, sempre com pressa e aflita.

Mas isto na cabeça das crianças, que não têm relógio, que não sabem o que é isto do tempo, nem dos atrasos, sim porque o contrário de atrasado, é adiantado e ninguém fala do adianto. Na cabeça deles a única coisa que ainda conseguem fazer alguma relação temporal é com: Está dia, está noite, ainda está sol ou o sol já foi embora. E como isso até vai variando ao longo do ano, ainda é mais confuso.

E a ideia, incompreensível para eles, que lhes passamos é a de que estamos atrasados.
Estamos sempre atrasados.

andy-beales-53407-unsplash
Photo by Andy Beales on Unsplash

Coisas dos últimos tempos

Depois de alguns dias, ausentes cá estamos.

As ausências não se devem a falta de atividades ou afazeres, antes pelo contrário. Na verdade não tenho conseguido arranjar aquele tempinho extra e energia necessária para vir aqui, mas aqui fica um pouco do que temos feito.

A Páscoa já passou e foi para aproveitar os 4 dias e ir em direção a sul onde estão os outros avós e restante família. Momentos sempre muito alegres e bem passados que deixam os pequenitos cheios de saudades quando temos que nos vir embora.

Houve passeios, andaram no Carrossel da Praça principal de Cascais, muito giro, visitem (ver foto). Faz as delícias dos pequeninos, e dos pais que tem que ir segurar os miúdos para não caírem, como eu. Lambuzaram-se no gelado da mítica Santini, foram ao cinema ver o Mr. Link (eu adorei!). Tiveram mais umas “Caça ao Ovo”, que resultam sempre em barrigadas a mais de chocolate e bigodes a condizer. Mas faz parte e divertem toda a gente!

Depois, menos bom, semana de meninos doentes, duas idas ao hospital, bombas e nebulizações, dias em casa, faltas ao trabalho, festas de anos a que não foram, faltas na escola, etc. Mas agora já passou e já se encontram melhores.

Entretanto tinha feito uma sessão de demonstração de produtos da Mary Kay pelas mãos da Sónia Martins que gostei muito e aconselho. Depois falarei um pouco mais da experiência, dos produtos e do resultado em si. Já agora relembro que vêm aí o dia da Mãe, nada como mimar as Mamãs! Ver aqui.

Aproveitei e fiz outro de maquiagem também da Mary Kay com a Sónia, que alterou um pouco também a forma de me maquilhar, para melhor espero ;). A marca tem produtos muito bons e diferenciadores. Falarei também um pouco de cada um que entretanto adquiri.

Fiz também um workshop de Aromaterapia, que adorei com a Luísa Cunha da Fragrancias da Terra que me foi indicado pela querida Susana Ferreira

Este tema da Aromaterapia tem-me despertado interesse nos últimos tempos. Quem tem miúdos que frequentemente sofrem de constipações, tosses etc. há que tentar de tudo para minimizar estes estragos, principalmente em mudanças de estação, alterações bruscas de temperatura, etc. Já tenho ouvido maravilhas acerca do uso dos óleos essenciais e do seu resultado positivo em casos de crianças com estes problemas respiratórios. Nada como experimentar. Acredito que isto possa mudar um pouco a realidade cá em casa, não só no que toca a esta área, mas noutras áreas também. Vou dando feedback dos resultados.

Agora, é voltar a estabilizar, entrar na rotina e deixar as coisas a rolar com menos stress. Deixar entrar os dias maiores e mais quentes e Viver com alegria!

E por aí?