Como controlar as emoções quando elas teimam em aparecer?

Conseguem controlar as emoções, ou deixam-se ir e logo se vê?

Acho que nunca mais chorei a sério depois de ter filhos. Aquele chorar de lavar a alma, de limpar, de deitar fora o que já não serve, aquele chorar que purifica. Sabem esses? Nunca mais tive! Não sei porquê, mas quando estou quase naquele momento de abrir a torneira não consigo, não dá, não sei.

Desde que tive as crianças que não me lembro de ter uma grande choradeira. Penso que deve ser porque não tenho nada realmente para estar profundamente triste. Sinto-me bem, completa, não tenho nada na verdade porque chorar, é uma coisa que me intriga, ás vezes até dava jeito, mas não dá.

Não é tristeza, é emoção mesmo!

Já a lágrima fácil, os olhos embaciados e a choraminguisse, essa pinga a cada passo. Basta ver:

    uma cena mais lamechas,
    algum episódio que meta bebés,
    situações mais sensíveis com crianças,
    ou alguma coisa que meta os meus meninos…
  • E lá estou eu de lágrima teimosa no olho, o nariz começa a picar e a fazer comichão. E nesse momento é melhor pensar noutra coisa e sair dali a correr.
  • Se estou com alguém então chego a parecer mal educada. Ou pelo menos não muito simpática, porque me calo ali mesmo e não há mais conversa! Já me aconteceu, por exemplo, estar a falar com mães dos amiguinhos dos meus filhos, de alguma situação sobre eles que me deixa mais sensivel e a determinada altura tenho-me que me calar. Simplesmente fico calada a olhar para o infinito, tipo “nem estou aqui!” A voz começa-me a fugir e acabo a conversa, mesmo que não chegue a terminar a ideia. Paciência!

    Das duas uma, ou outras mães disfarçam muito bem, como eu tento fazer com mesmo muito esforço, ou então devo ser a Mãe mais piegas e choramingona que conheço.

    A maternidade não vos pregou uma rasteira neste aspecto e não vos meteu a choramingar por tudo?

     

     

     

    Anúncios