O que eu aprendi com a Maternidade?

Se há uma coisa que nos transforma realmente é a Maternidade/Paternidade.

Até lá temos pequenas ideias do que possa vir a ser, mas só passando e só vivendo é que se pode dizer alguma coisa sobre o assunto. E mesmo assim não dá para definir numa só coisa.

O que somos, deixamos de ser. Para onde vamos, deixamos de ir. O que aprendemos, desaprendemos e aprendemos novas coisas. Adquirimos novos conceitos e formas de estar e largamos outras tantas. Deixamos de ser “nós os dois” e passamos a ser “nós os três” ou quatro. Muda tudo, a direcção e o foco, as crenças e as verdades. Tudo é redireccionado e toma um novo rumo. Novos sonhos, novas promessas, novos objectivos, novos medos, novas responsabilidades.

Criar uma família é:

  • reinventar-se todos os dias
  • alterar-se todos os dias com novas aprendizagens de todos e novas aptidões adquiridas,
  • ter um guião novo todos os dias que tem de ser improvisado sem tempo para decorar ou fazer até sentido do que se está a pensar
  • estar numa nova realidade.

Adaptamos. E a capacidade de adaptação é incrível. A nossa e a deles, se calhar a deles mais do que a nossa, na maior parte das vezes.

E tudo vale, pelos Filhos!

Eles nascem, crescem e continuam a crescer sem parar. A uma velocidade louca e impressionante.

Eles fazem de nós outras pessoas. Às vezes melhores, outras piores, mas por certo, sempre diferentes.

Fecha-se um ciclo. Começa-se outro. Cumpre-se um propósito.

E aqui vamos nós.